Paraibano é ‘convocado’ para Copa do Mundo como voluntário e vai realizar sonho

28

A Paraíba será representada na Copa do Mundo do Catar, mas não dentro do campo – como se esperava com o atacante Matheus Cunha, do Atlético de Madrid. A honra caberá a outro Matheus: o engenheiro civil Matheus Montenegro, de 26 anos, que foi aprovado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA) e será um dos 20 mil voluntários trabalhando no torneio.

Fã de futebol e torcedor do Botafogo-PB, Matheus, que tem um canal de YouTube e um perfil de Instagram chamados “Um Torcedor Pelo Mundo”, anunciou a novidade em suas redes recentemente, depois de uma longa espera.

“Eu fiquei meio que sem acreditar, porque eu confesso que não esperava ser aprovado (na seleção de voluntários), a concorrência é muito grande. São 20 mil voluntários e desses, são 15 mil do Catar e 5 mil de outras nacionalidades. O processo foi bem demorado, eu apliquei em março e só fui receber uma primeira resposta em julho”, contou ao Portal Correio.

Após passar por mais algumas etapas do processo de seleção, Matheus foi escolhido para fazer parte da equipe de voluntários que vai ajudar na parte de tecnologia nos estádios, responsável, entre outras coisas, pela montagem da cabine do árbitro de vídeo (VAR) próxima ao campo – ele fará esse trabalho em sete partidas do torneio, incluindo jogos de seleções campeãs mundiais como França e Uruguai, além dos adversários do Brasil na primeira fase (Camarões, Suíça e Sérvia).

O primeiro jogo que Matheus vai acompanhar de perto no Mundial é França x Austrália, em 22 de novembro. O último, talvez, seja um dos confrontos das oitavas-de-final, no dia 5 de dezembro. O “talvez” é porque a ideia dele é tentar prolongar a estadia no Oriente Médio e, para isso, ele afirmou que está tentando parcerias com empresas e vai vender bonés personalizados para os seguidores, como forma de tentar viabilizar financeiramente o projeto.

 

Realizando um sonho

Além de trabalhar como voluntário, Matheus também estará nas arquibancadas, como torcedor, nas três primeiras partidas do Brasil na Copa.

“Só vou acreditar quando estiver lá no Catar, e sentir o choque de estar em uma realidade diferente. Assistir um jogo da Seleção Brasileira em Copa do Mundo, em outro país, representando a Paraíba, é um dos grandes sonhos da minha vida e eu vou conseguir realizar. Sem contar em viver o clima de Copa, viver um pouco da cultura de outro país, vai ser fantástico”, disse Matheus.

A ideia dele é tentar prolongar a estadia no Oriente Médio e, para isso, ele vai vender bonés personalizados para os seguidores de suas páginas.

Rodando o mundo pelo futebol

Matheus já foi, segundo ele, em 330 jogos em 58 estádios no Brasil e em 13 países diferentes. Nos últimos dois anos, no entanto, a experiência de estar nas arquibancadas ganhou um novo sentido: o projeto “Um Torcedor Pelo Mundo”, que começou no Instagram em plena pandemia.

Matheus morou na Hungria entre setembro de 2020 e abril de 2022, quando foi fazer um curso de especialização na área de Engenharia. Lá, ele juntou a paixão pelo futebol com a vontade de produzir conteúdo sobre o esporte nas redes sociais.

“Eu já tive várias ideias em criar conteúdo relacionado a futebol, só que não queria fazer o ‘mais do mesmo’. A primeira grande ideia que surgiu, que seria diferente, apareceu quando fui morar na Europa: fazer um conteúdo mostrando estádios ao redor do mundo, principalmente na região da Hungria, do Leste Europeu em geral, que não é muito mostrada mas que muita gente tem curiosidade”, contou.

No início do projeto, o diferencial, como ele mesmo gosta de destacar, foi que enquanto estádios no Brasil e em muitos outros países estavam fechados ou com público restrito, na Hungria o público era totalmente liberado.

O país foi um dos que recebeu jogos da Eurocopa, o torneio continental de seleções. Entre as partidas que Matheus acompanhou “in loco”, uma das mais marcantes para ele foi confronto entre Portugal e França, que ele viu, ao vivo, craques como Cristiano Ronaldo e Mbappé.

Ele também viu jogos da Liga dos Campeões da Europa, o principal torneio de clubes do mundo, mas, para ele, a melhor experiência em estádio foi no “Clássico de Belgrado”, na Sérvia, entre Partizan e Estrela Vermelha. “Esse é o maior jogo que eu já vi na vida, foi a atmosfera mais sensacional que eu vivi em um estádio”, disse Matheus.

Experiências fora do futebol

Além de viver intensamente o esporte que ama, a experiência de viver na Europa foi também uma oportunidade de conhecer lugares e pessoas de diversas partes do mundo. Para Matheus, os momentos mais marcantes fora do futebol, nesse período, foram as visitas a cidade de Chernobyl (Ucrânia) – famosa mundialmente pelo acidente na usina de energia nuclear, e ao campo de concentração de Auschwitz, na Polônia.

“O futebol foi a porta de entrada para viver tudo isso. A partir do momento que eu comecei a receber mensagens de outras pessoas, dizendo que eu motivava elas, que se inspiravam em mim para sair por aí viajando, viver experiências, eu criei uma responsabilidade maior e me dediquei mais (a produzir conteúdo)”, disse.

Portal Correio